Novena a São Zygmunt Felinski

V. Em Nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
R. Amém.
Oremos: Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor.
V. Enviai o vosso Espírito e tudo será criado.
R. E renovareis a face da terra .

l.º Dia
A Força da Família é Deus

“ Feliz aquele que tem uma família, na qual nunca experimentou desgosto, mas sempre alegria e conforto – e isto nós devemos a nossa caríssima mãe que soube educar-nos na harmonia e unidade”. (Zygmunt Felinski (1847))


S. Zygmunt cresceu numa família profundamente cristã, seguindo a fé recebida dos pais e da Igreja católica. Os fundamentos da fé e da moral cristã recebeu da vivência do Evangelho na família. Lembrava do “ nosso maior dever que é amar a Deus e valorizar a família ”.


Rezemos pelas nossas famílias para que sejam fortalecidas na fé, no amor mútuo e na confiança ilimitada na Divina Providência.
- V. - S. Zygmunt - V. Rogai por nós.

2º Dia
Confiante na Divina Providência

“ Estou certo que mantendo o coração inocente, a religião e o amor fraterno para com os outros, não me desviarei do caminho certo. São estes os meus valores incalculáveis”. “Meu ponto de vista é a fé, desejaria que tudo o que gosto, o que me encanta e arrebata, tivesse Nele o seu início”.
Zygmunt S.Felinski (1843, 1844)


S. Zygmunt foi privado muito jovem da casa familiar, porem calaram profundamente nele as palavras do pai moribundo e da mãe exilada à Sibéria – que lhes disseram: “A mão misericordiosa da Divina Providência irá ampará-los”.


Rezemos pelos jovens estudantes, para que saibam escolher na vida o que é bom e belo e construam a sua vida como S. Zygmunt, fundamentada na rocha da fé, na caridade fraterna e a dedicação pelo bem comum.

- V. - S. Zygmunt - V. Rogai por nós.

3º Dia
Ouvindo a voz do Senhor

“Lembremos sempre das palavras de Cristo que disse – não podeis servir a dois senhores ao mesmo tempo, portanto escolhamos o Senhor e sejamos lhe fiéis”.
Zygmunt S. Felinski (1849)


As palavras acima foram proferidas por Zygmunt S.Felinski em Paris, após a derrota do levante, em Poznan, do qual ele participou(1848) e depois da morte do seu amigo Julio Slowacki, que faleceu nos seus braços (3 de abril de 1849). Atento a voz do Senhor, seguiu o chamado, e aos 29 anos de idade, discerniu servir a Deus e ao próximo.


Rezemos pelos vocacionados para seguirem a voz de Deus com coragem e dedicação, como S.Zygmunt.

- V. - S. Zygmunt - V. Rogai por nós.


4º Dia
Sacerdote conforme o Sagrado Coração de Jesus

Estou feliz por Deus...ter me escolhido para seu servo. “Não peço a Deus, que isto ou aquilo se realize, mas o que acontecer seja para mim um atrativo, somente por que é da sua vontade, e que eu não tenha a tentação em desejar outra coisa”. “Confio-me totalmente à Divina Providência, e tenho certeza de que tudo o que Deus permitir é o melhor”.
Zygmunt S. Felinski (2 de setembro de 1857)


S. Zygmunt foi ordenado sacerdote aos 8 de setembro de 1855, em Sant Petersburgo. No trabalho pastoral seguiu fielmente a Cristo, que era para ele “o Caminho, a Verdade e a Vida”.
Sua entrega a Deus e à Igreja, que chamava de Mãe, prova pelas palavras: “Sim, Senhor, a Igreja é o meu tesouro mais precioso, objetivo da minha vida, meu único amor na terra, pois Tu és a sua alma e ela o Teu Corpo Místico”.


Rezemos pelos Sacerdotes para que a exemplo de S. Zygmunt, com zelo e dedicação conduzam os fiéis à santidade.

- V. - S. Zygmunt - V. Rogai por nós.

5º Dia
Seguiu pelo caminho da Cruz

“Ao colocar os pés no chão de Varsóvia, humanamente falando, começou a minha missão difícil e insuportável. “Minha única ambição era de permanecer sempre na verdade, ser moralmente claro, transparente e se possível puro como um diamante. Segui sempre o que considerava verdade ou dever”.
Zygmunt S. Felinski – Memórias ed. 3,504-511


Aos 6 de janeiro de 1862, o Papa Pio IX nomeou o Pe. Felinski arcebispo de Varsóvia. Seu curto pastoreio, num período difícil de manifestações e do levante de Janeiro (1863), foram comparados a uma tragédia, um drama, uma estrada espinhosa da cruz, que após 16 meses, levou-o ao exílio. Este pastor zeloso trouxe para Varsóvia espírito de renovação que atingiu toda a arquidiocese.


Rezemos pela intercessão de S. Zygmunt, para que o espírito de renovação religiosa e moral envolva a nós mesmos, nossas casas, paróquias, dioceses e nossa pátria.

- V. - S. Zygmunt - V. Rogai por nós.

6º dia
O Senhor o conduziu ao deserto

“Vejo cada vez mais claramente que a mão do Senhor me trouxe a este deserto para facilitar o meu renascimento interior no espírito de Deus..Bem-aventurada a cruz que em vez de calcar ao chão, eleva-se da terra e ordena que o olhar da alma sempre se dirija ao céu. As lágrimas, que a cruz faz transbordar, não são lágrimas de tristeza e desespero, mas de gratidão, arrependimento e amor...”.
Zygmunt S. Felinski (1866)


Condenado ao exílio, o arcebispo Felinski passou 20 anos em Jaroslaw junto ao rio Volga, entregue à mortificação, oração e obras de misericórdia, testemunhando santidade de vida. Cercou de cuidados os católicos do local e poloneses exilados a Sibéria, levando-lhes assistência espiritual e auxílio material. Ao receber a anistia em 1883, não podendo voltar para sua pátria, sentiu um segundo exílio em Dzwiniaczka onde passou seus últimos 12 anos, dedicado ao trabalho sacerdotal entre a população rural, tornando-se conhecido como o “apóstolo da paz e reconciliação nacional”.


Rezemos pelas pessoas injustiçadas, inocentes condenados e perseguidos, para que a exemplo de S. Zygmunt, fortalecidos no espírito, permaneçam fiéis a Cristo.

- V. - S. Zygmunt - V. Rogai por nós.

7 º Dia
Fundador – protetor dos pobres

“Tenho agora duas grandes tarefas a cumprir”. Como diretor do Albergue, tenho que dar o amparo legal a fundação”, ou seja para a Congregação das piedosas senhoras, que por amor a Deus desejam dedicar-se ao serviço do próximo”.Estamos organizando um local para as meninas católicas pobres, onde poderão aprender: o catecismo, a ler, a escrever e trabalhos manuais femininos”. “É grande alegria em sentir tão claramente a proteção da Divina Providência a respeito desta Instituição”.
Zygmunt S.Felinski (1856, 1857)


Pe. Felinski levado pela caridade para com os pobres, organizou orfanato em Petersburgo e fundou uma Congregação Religiosa, chamando-a de Família de Maria. Confiante na Divina Providência , disse: “Hoje não temos nada, mas creio firmemente que a Divina Providência há de nos proteger”. (1859) Realmente, este orfanato por 50 anos (até a revolução) fazia parte das melhores Instituições e a Congregação desenvolveu-se numa grande família religiosa. Após 150 anos de existência conta com 1200 Irmãs, atuando em 145 comunidades (na Polônia, Brasil, Itália , Bielorussia, Ucrânia, Russia e Cazaquistão( 2009) .


Rezemos para que a Divina Providência continue velando pela obra de S. Zygmunt, multiplique o número de Irmãs e abençoe o trabalho em prol dos mais necessitados.

- V. - S. Zygmunt - V. Rogai por nós.

8.º Dia
Sob a proteção de Maria

“Oh! Venerai Maria, ornai os seus altares nos vossos corações, com flores de inocência, com suas virtudes ou com lágrimas de penitência e uma conversão sincera”. “Bem-aventurados aqueles que na hora da prova se encontrarem junto a cruz com Maria”.
Zygmunt S. Felinski (1863)


Na vida e nas obras de S.Zygmunt, Maria , a Virgem Imaculada e Mãe da Igreja, ocupava um lugar especial. Aprendeu amar a Mãe de Deus no seio da família. A Ela recorria nas dificuldades da sua juventude. Sempre e por toda parte procurou expandir o culto em honra de Maria Santíssima. Em sua honra difundiu na Arquidiocese a devoção de maio.(1863).


Rezemos junto com o servo de Deus o Cardeal Stefan Wyszynski para que o programa mariano do arcebispo Felinski continue sendo a diretiva comum no caminho da Igreja e da Nação (1968).

- V. - S. Zygmunt - V. Rogai por nós.

9.º Dia
Filho Fiel da Mãe – Pátria

“Sou polonês e o meu desejo é morrer polonês, porque assim o quer o direito divino e humano.... Considero a nossa língua, nossa história, nossas tradições nacionais como um inesquecível legado de nossos antepassados, que devemos transmitir fielmente às gerações posteriores, enriquecendo o tesouro nacional com o próprio trabalho”.
Confio... que a providência Divina não abandona aqueles, que se entregam a sua proteção, dispostos a qualquer sacrifício toda vez que são necessários para uma causa santa”.
Zygmunt S.Felinski
(1862)


Arcebispo Felinski viveu na época da ocupação nacional, ele não duvidou de um surgimento da Polonia independente. Para ele a pátria era simplesmente Mãe. Aceitou as palavras como senha de sua vida: “”Para ser polonês é preciso viver divina e nobremente”. Foi fiel para este ideal até o fim de sua vida.


Rezemos por intercessão de S. Zygmunt pela nossa Pátria, para que sob a proteção da Divina Providência e de Maria Santíssima , nossa Rainha permaneçamos fiéis a Deus e ao Evangelho e para que progridamos na paz, na unidade da fé e na justiça social.

- V. - S. Zygmunt - V. Rogai por nós.