ZIGMUNT FELINSKI E A DEVOÇÃO MARIANA

"Maria é nosso auxílio, nossa consolação, nosso refúgio. Ela é a nossa Estrela neste mar tempestuoso de nossa vida terrena. Por Maria, por esta segunda Eva, veio a salvação ao mundo pela encarnação do verbo de Deus. Se queremos pois, aproximar-nos dos sentimentos e pontos de vista de Maria, comecemos primeiramente a viver como Ela, a vida sobrenatural que se fundamenta na fé, esperança e caridade; assim deixaremos de cultuar os instáveis juízos humanos, que não nos defenderão perante o tribunal divino" (Zygmunt Felinski)

 

********************************************************

 

"Esforcemo-nos por viver como Maria, da qual não só o agir, mas cada desejo, cada respiração, cada batida do coração eram inteiramente consagrados unicamente a Deus." (Zygmunt Felinski)

Estas palavras textuais de Dom Zygmunt deixam transparecer o seu imenso amor a Maria a quem escolheu como modelo de vida e a quem consagrou-se e fez o voto de castidade aos treze anos de idade. Mais tarde escolheu-a como padroeira principal da sua Congregação.

******************************************

"Oh, venerai Maria, ornai seus altares nos vossos corações com flores da inocência, com virtudes ou pelo menos com lágrimas de penitência, conversão e sincera emenda." (Zygmunt Felinski)

Essa característica de sua espiritualidade é marcante em toda Irmã da Sagrada Família, em sua devoção particular, comunitária, mas sobretudo na sua vivência pessoal. Cada Irmã deve cultivar as virtudes de Maria: disponibilidade, fé, humildade, simplicidade, aceitação da vontade de Deus, amor e confiança na Divina Providência.

*****************************************